Pelos olhos de um leitor

Publicado . 2017-11-27 | Categorias . Artigos

Não sei se a palavra recompensa é a mais calorosa das palavras, mas sei que ao ver no facebook a mensagem pública que o Pedro Baptista-Bastos deixou à Guerra e Paz, a temperatura subiu na editora e, se a editora tem um rosto, ficou coradíssimo esse rosto editorial.

Fizemos, como sabem este Físico Prodigioso. E, para o viabilizar, organizámos uma subscrição junto de leitores interessados, que compraram o livro quando ele ainda era só um conceito. O Pedro Baptista-Bastos foi um dos que arriscou ser nosso co-editor. Recebeu, entretanto, o livro e não resistimos a publicar a sua reacção.

Primeiro diz: «Editar livros em Portugal é quase equivalente a lançar sondas espaciais - editores e astronautas aventuram-se no desconhecido.» E, logo a seguir, dá os parabéns à Guerra e Paz, «por se aventurarem em publicar escritores maravilhosos, com uma qualidade e um bom gosto grandiosos. O livro é absolutamente magnífico!»

O brilho da foto com que ilustra o seu post quase nos cegou de alegria. E palavras destas são o estímulo de que uma casa editora precisa. Saber que a sensação que provocamos ao leitor que acreditou em nós equivale ao que tínhamos prometido, deixa-nos com o sentimento de dever cumprido.

Quem ama os livros e, sobretudo, quem ama “livros de arte” sabe agora, pela voz mais autorizada que é sempre a voz e os olhos de um leitor, o que vale o Físico Prodigioso, de Jorge de Sena, com a pintura de Mariana Viana.

Partilhe este conteúdo