«Desamor»

Publicado . 2021-11-10 | Categorias . Artigos

.

.

.

.

A premissa é clara e o subtítulo esclarece – «pode morrer-se de amor ou dar-se a vida por ele» – neste Desamor, romance de Nuno Ferrão. A prosa é uma preciosidade que capta, com delicadeza, as notações e personagens do quotidiano. A história? Essa é «intensa, sofrida, cheia de paixão e luxúria», segundo nos adianta a cantora Ana Bacalhau no prefácio da obra. O final até podia ter sido trágico, não fosse o amor tê-lo resgatado. Uma edição Guerra e Paz, Desamor chega à rede livreira nacional no próximo dia 16 de Novembro. O lançamento oficial acontece um dia antes, no espaço do Âmbito Cultural do El Corte Inglés, em Lisboa.

Em Desamor, o novo romance de Nuno Ferrão, escritor e jornalista, narra um amor impossível com o distanciamento e a sobriedade dos tímidos. «Na Travessa da Passagem, um café acolhe Leonardo e Constança, num palco de amor desunido e entrelaçado no folhear de um livro, em refúgio à chuva miudinha. Constança e as páginas que devora, no recato dos finais de tarde. Leonardo, aprisionado ao encargo de promover o que o desmotiva. Um encontro fugaz, no consumo dos dias, mastigados em rotina castradora.»

No prefácio, assinado por Ana Bacalhau, a cantora que deu voz aos Deolinda, explica o que a apaixonou nos dois protagonistas e o que os fez apaixonar-se um pelo outro: «Começamos a conhecer Leonardo, a personagem principal, e percebemos que, nisto de amores, ele é mais o equivalente ao anti-herói: aquele que nunca conheceu uma história arrebatadora, que sempre andou no assim-assim, ou na tragicomédia dos que não têm jeito para viver histórias de amor como as que se contam nos livros. […] O café de bairro é o centro da sua vida. O local que procura para se escapar do que houve ou do que vai haver. […]. Não é de estranhar que aquela que lhe faz balançar o coração no peito, depois de alguns encontros fortuitos no café, se chame Constança. É essa constância da vida de todos os dias que um dia nos apanha desprevenidos e nos arrebata o coração.»

Ir ao café passou de acto rotineiro a acto de amor, e Leonardo e Constança renascem na colisão das almas, ao preço do amor. Mas quanto valerá esse amor? Sem contar de mais e como quem pede para lermos tudo até ao fim, Ana Bacalhau avisa: «[…] um amor de todos os dias, um amor sem literatura, pode ser tão tocante como os amores que vivem nos versos dos poetas. Intenso, sofrido, cheio de paixão e com um final que teria sido trágico, mas que o amor se encarregou de resgatar.»

Uma edição Guerra e Paz, Desamor estará disponível, a partir do próximo dia 16 de Novembro, na rede livreira nacional e no site da editora. O lançamento oficial do livro acontece um dia antes, 15 de Novembro, pelas 18h30, no espaço do Âmbito Cultural do El Corte Inglés, em Lisboa, e contará com a apresentação do jornalista e escritor Duarte Baião.

Esta é a primeira vez que a Guerra e Paz publica Nuno Ferrão. Antigo jornalista na Agência Lusa e no Record, o autor publicou, em co-autoria com André Curvelo Campos, o seu primeiro livro, Estórias Limbidinosas, em 2010, pela Edições Afrontamento. 

.

 .

Desamor – Pode Morrer-se de Amor ou Dar-se a Vida por Ele

Nuno Ferrão

Ficção / Romance

144 páginas · 15x23 · 14,50€

Nas livrarias a 16 de Novembro

Guerra e Paz, Editores

 .

 .

.

Partilhe este conteúdo