Os meus livros de Julho

Publicado . 2022-06-30 | Categorias . Artigos

Um editor que publique o Bartleby, de Herman Melville, um editor que publique As Caves do Vaticano, de André Gide, está na fronteira do crime e pode ser acusado de prática ilegal da cirurgia. Melville e Gide são dois afiados bisturis capazes de gerar incisões profundas na imaginação e na memória dos leitores.

.

A minha pequena e frágil Guerra e Paz – é uma adolescente insegura, bem sei –, ao Bartleby, o Escrivão: Uma História de Wall Street, essa narrativa que Borges acusou amorosamente de «cândido niilismo», e à aventura gideana de um papa raptado nas Caves do Vaticano (o que fariam as mãos de Gide, hoje, com o Papa Francisco?), acrescenta a monumental cabeça emotiva de Jane Austen, que oferece aos leitores, em Persuasão, o seu derradeiro romance, a ilusão da segunda oportunidade. Poderia juntar ao título, Persuasão, o qualificativo «obra-prima», mas quem, nestes dias agrestes, tem ainda paciência para redundâncias? Austen, a senhora Austen, é sim o triunfo do instinto.

.

Já volto a esse indisciplinado exercício a que chamamos literatura. Deixem-me, antes, dar um passo de dança. Com Olga Roriz. E minto: quem dançou com ela foi José Jorge Letria. Na colecção «o fio da memória», feliz parceria que temos com a Sociedade Portuguesa de Autores, Letria conversa com Roriz sobre a sua vida e a sua arte, no 22.º livro de uma colecção em que o leitor pode também falar com Eduardo Lourenço, Cruzeiro Seixas, Lídia Jorge ou Mário Cláudio. Olga Roriz: A Vida num Corpo Inquieto é, agora, o nosso último devaneio, a nossa mais recente inquietação.

.

Já dançaram? Chamem agora as crianças. É raro, mas retomando uma série que publicámos há uns bons cinco anos, temos um livro de indisfarçado, puro e bárbaro riso e entretenimento. Chama-se O Teu Livro de SuperPiadas. Chamem as crianças.

.

Das parvas (por pequeninas, por pequeninas…) anedotas infantis, volto ao assombroso e atribulado exercício da literatura. De Angola, Jacques Arlindo dos Santos mandou-me República de Santa Bárbara (Relato Particular sobre a Cidade Capital). É uma digressão atemporal sobre a memória e a angústia angolanas e sobre o orgulho atraiçoado da independência, «caleidoscópio de vidas apanhadas pela história» leio eu e copio da contracapa. Já de Cuba, reforçando a diversidade da colecção «romances de guerra e paz», Emerio Medina escreveu Os Fantasmas de Ferro: que escrita tão elegante, tão plástica! Que história, a de três amigos de infância, tão sensual e taciturna, reveladora de uma traição e de uma vingança gémeas na desonra. Eis a cirurgia de Emerio Medina: insere no nosso imaginário a beleza da desolação, a insustentável excitação da tristeza.

.
Se o leitor é de esquerda, se se embriagou com o Maio de 68, se sempre, e bem, foi anti-racista, mas sente que o mundo lhe está a escapar e, face a certos delírios contemporâneos, um «não estou a perceber» lhe sai amargo e murmurado dos lábios, O Vidente de Étampes, de Abel Quentin, é o romance que chama, urgente, sonoro, por si. Não o vai ler sozinho: há leitores franceses, italianos, espanhóis e etc. a lê-lo ao mesmo tempo. O narrador, que podia ser cada um de nós, escreveu um ensaio sobre um belo poeta negro, em França, que morre como Camus, estampando-se contra uma árvore. Publica e, quando dá conta, a barbárie das redes sociais espeta-lhe mil facas no corpo e na alma.

.

Vai longa a viagem. Mas ainda vos levo ao México. Nos «Clássicos Guerra e Paz», e do mais clássico dos modernistas espanhóis, Ramon Valle-Inclán, publico a Sonata de Estio., romance em que o narrador, ou talvez o autor, se quer esquecer de uns amores desgraçados, e leio: «Aquela mulher tem na história da minha vida uma recordação galante, cruel e gloriosa…» Sim, é o incêndio de uma jovem crioula que arde nesse Verão mexicano.


.
De cinzas se faz De Profundis, de Oscar Wilde, o último dos «Clássicos da Guerra e Paz». Paixão fria, agónica, servida na longa e belíssima carta que, da prisão, onde passou dois anos a trabalhos forçados, Wilde escreve ao amante, para lhe dizer como, vaidade extinta e sufocada, se passou a identificar com Jesus Cristo, e no Cristo descobre, romântico e individualista, o artista. Das cinzas frias, emerge um módico de gentileza e serenidade, condição da desejada alegria.

.

São estes os meus livros de Julho, matéria de sonho para ferir a memória e retalhar o imaginário. Confirma-se: a actividade editorial é uma actividade perigosa, prática ilegal da cirurgia.
.

.

.

.



Manuel S. Fonseca, editor

.

.

.

.

.

..

.

Partilhe este conteúdo