HOLOCAUSTO BRASILEIRO Ver maior

HOLOCAUSTO BRASILEIRO

Novo produto

Milhares de crianças, mulheres e homens foram violentamente torturados e mortos no hospício de Colônia, em Barbacena, fundado em 1903. A maioria foi internada sem diagnóstico de doença mental: eram meninas violadas que engravidaram dos patrões, homossexuais, epilépticos, mulheres que os maridos não queriam mais, alcoólicos, prostitutas.

Mais detalhes

5,00 €

Adicionar à Lista de desejos

Autor
Daniela Arbex

É uma das jornalistas brasileiras mais premiadas de sua geração. Repórter es¬pecial do jornal Tribuna de Minas há 18 anos, tem no currículo mais de 20 pré¬mios nacionais e internacionais, entre eles três prémios.

Continuar a Ler

Milhares de crianças, mulheres e homens foram violentamente torturados e mortos no hospício de Colônia, em Barbacena, fundado em 1903. A maioria foi internada sem diagnóstico de doença mental: eram meninas violadas que engravidaram dos patrões, homossexuais, epilépticos,mulheres que os maridos não queriam mais, alcoólicos, prostitutas.

Ou simplesmente seres humanos em profunda tristeza. Sem documentos, sem roupa e sem destino, tornaram-se filhos de ninguém.

Em Holocausto Brasileiro, a premiada jornalista de investigação Daniela Arbex resgata do esquecimento esta chocante e macabra história do século XX brasileiro: um genocídio feito pelas mãos do Estado, com a conivência de médicos, funcio­nários e população, que roubou a dignidade e a vida a 60.000 pessoas.

Bebiam água do esgoto. Comiam ratos. Morriam ao frio e à fome. Eram exter­minados com electrochoques tão fortes, que toda a cidade ficava sem luz, por sobre­carga da rede. Os bebés eram roubados às mães logo à nascença. Nos períodos de maior lotação, morriam 16 pessoas por dia dentro dos muros do Colônia. Ao morrer, davam lucro. Os cadáveres eram vendidos às faculdades de medicina.

Quando o número de corpos excedia a procura, eram decompostos em ácido, no pátio, diante dos pacientes. Os ossos eram comercializados. Nada ali se perdia. Excepto a vida.

É a essas 60.000 pessoas que Daniela Arbex devolve agora o rosto e a identi­dade, num relato que recupera o testemunho dos poucos sobreviventes e dá voz aos milhares que já não podem contar a sua própria história. O hospício de Colônia só foi transformado em verdadeiro Centro Hospitalar Psiquiátrico em 1980.

Nº de Páginas256
Ano de Edição2014
ISBN978-989-702-103-9
Formato150x230
Autor(es)Daniela Arbex