Fundada em Abril de 2006, a Guerra e Paz editores, com o lema “é preciso virar a página”, é uma editora generalista que procura, numa parte relevante das suas publicações, reinventar o livro, criando formatos inovadores e cruzando materiais diversos, por vezes improváveis, como madeira, pano, papel de jornal, fotografias ou pintura nas suas edições. Com um grafismo ousado, que não teme a ruptura dos modelos tradicionais, algumas das edições recorrem a processos artesanais, da colagem ao laser, passando pela impressão directa em madeira e pela pintura à mão das faces do miolo dos livros.

A editora tem nos Clássicos Guerra & Paz a sua mais prestigiada colecção de ficção, de Eça e Camilo a Machado de Assis, passando por Oscar Wilde, Flaubert, R. L. Stevenson e D. H. Lawrence, Herman Melville, Joseph Conrad ou Jonathan Swift. Outra linha editorial, os Livros Amarelos, confronta dois textos curtos de grandes autores (Mark Twain e Kipling ou Miguel de Unamuno e Manuel Laranjeira, Pessoa e Whitman, por exemplo), apresentados por um autor contemporâneo, tendo-se convertido pela ousadia ou mesmo pela provocação de algumas propostas numa polémica colecção de referência. A recém-inaugurada colecção Livros Vermelhos incluirá ensaios contemporâneos sobre temas de grande actualidade, como é o caso deste Escravatura, Perguntas e Respostas, do historiador João Pedro Marques. 

Uma colecção, Os Livros Estão Loucos, e uma série, o Caderno de Memórias de Difícil Acesso, assinalaram, em 2017, a entrada sistemática da Guerra & Paz nos livros infanto-juvenis, uma entrada feita sob o signo da irreverência e da inovação.

A par de livros práticos, com um catálogo de não-ficção a dominar as suas publicações, e com o Clube do Livro SIC e os livros de Alimentação, Saúde e Bem-Estar como principais colecções populares, a Guerra & Paz, em parceria com a Sociedade Portuguesa de Autores, criou a colecção …o fio da memória, que preserva, com entrevistas de José Jorge Letria, o património cultural português, contando já com livros de  vida e obra de Eduardo Lourenço, Urbano Tavares Rodrigues, Lídia Jorge, Cruzeiro Seixas, João Abel Manta e Álvaro Cassuto, entre outros.

Na colecção de livros de arte, de luxo, a Três Sinais, destacam-se, em edições de capa dura, obras de Paula Rego e Agustina, de Fernando Pessoa e Camões, de Vasco Graça-Moura e José Saramago. No seu catálogo a editora conta com várias correspondências de Jorge de Sena, em particular as correspondências com Sophia de Mello Breyner Andresen, Eugénio de Andrade e João Gaspar Simões.

No catálogo de autores internacionais, destacam-se obras de Sade, Boris Vian, Robert Graves, Jean d’Ormesson e Delmore Schwartz na ficção, e ensaios sociológicos, políticos ou filosóficos de Raymond Aron, Winston Churchill, Roger Scruton, Paul Johnson e John Gray.

Sem prejuízo do convívio com o digital, a Guerra & Paz acredita no futuro do livro em papel. Os nossos livros, pintados, com colagens e um design gráfico irreverente, querem reacender no leitor, por junto, a paixão da posse de livros belos com a paixão da leitura. Para que seja um prazer virar cada página.