-20%

Preço reduzido! Sonda o Meu Coração no Meio da Noite Ver maior

Sonda o Meu Coração no Meio da Noite

Novo produto

Editado por: Helmut Gollwitzer, Käthe Kuhn, Reinhold Scneider

«Todos combateram com a vida, pela vida. Um combate certamente político, sob a égide de diferentes ideologias, no que isso tem de mais puro: a valentia de não compactuar com a noite nazi.»

                                                                       Afonso Reis Cabral, no Prefácio

Mais detalhes

14,15 €

11,32 €

Adicionar à Lista de desejos

«Combateram a imposição da verdadeira noite, essa que chegara pela mão do Terceiro Reich e que é tão perfeitamente retratada pelo conde Helmuth James von Moltke na sua carta de despedida aos filhos. O “não” que estes justos disseram foi do tamanho que permitia a vida de cada um; e, portanto, todas as negações tiveram a mesma dimensão: o filho de agricultores que recusou alistar-se nas SS, a escritora que usou o seu dom como denúncia, o professor universitário que alertou os alunos, o sacerdote que fez do púlpito altar da consciência, o estudante de liceu membro da Resistência, os vários políticos, latifundiários e militares que participaram na intentona de 20 de Julho de 1944. 

Todos combateram com a vida, pela vida. Um combate certamente político, sob a égide de diferentes ideologias, no que isso tem de mais puro: a valentia de não compactuar com a noite nazi. E também um combate religioso, porque combater com a vida, pela vida, era conquistar a eternidade.»

                                                                       Afonso Reis Cabral, no Prefácio

Nº de Páginas 360
Ano de Edição Novembro 2021
ISBN 978-989-702-684-3
Formato 15x23
Capa Brochado

Sem avaliações neste momento.

Escrever uma avaliação

Sonda o Meu Coração no Meio da Noite

Sonda o Meu Coração no Meio da Noite

Editado por: Helmut Gollwitzer, Käthe Kuhn, Reinhold Scneider

«Todos combateram com a vida, pela vida. Um combate certamente político, sob a égide de diferentes ideologias, no que isso tem de mais puro: a valentia de não compactuar com a noite nazi.»

                                                                       Afonso Reis Cabral, no Prefácio