-10%

Preço reduzido! ANTÓNIO-PEDRO VASCONCELOS: UM CINEASTA CONDENADO A SER LIVRE Ver maior

ANTÓNIO-PEDRO VASCONCELOS: UM CINEASTA CONDENADO A SER LIVRE

Novo produto

António-Pedro Vasconcelos sempre esteve no centro do furacão que é o cinema português. Foi um dos mais jovens fundadores do cinema novo, esse movimento de ruptura e de utopia estética dos anos 60, que procurou aproximar das vanguardas estéticas europeias e americanas o cinema português sufocado pela ditadura do Estado Novo.

Mais detalhes

13,99 €

12,59 €

Adicionar à Lista de desejos

António-Pedro Vasconcelos sempre esteve no centro do furacão que é o cinema português. Foi um dos mais jovens fundadores do cinema novo, esse movimento de ruptura e de utopia estética dos anos 60, que procurou aproximar das vanguardas estéticas europeias e americanas o cinema português sufocado pela ditadura do Estado Novo.

António-Pedro filmou, escreveu crítica, criou uma das mais dinâmicas e culturalmente abertas revistas portuguesas de cinema, o Cinéfilo dos anos 70. E António-Pedro foi sempre à procura do público, ciente de que sem público a arte não cria imaginário.

Neste livro, da infância a Sartre, da Sorbonne ao cineclubismo, António-Pedro revela o leitor de Sade, Marx, Hemingway e Chandler que é, mostra a sua admiração por Rossellini, bate-se por uma política cultural de transparência. Confessa, e não se importa, que se sente condenado a ser livre.

Nº de Páginas184
Ano de Edição2016
ISBN978-989-702-198-5
Formato15x20
Autor(es)José Jorge Letria