Crónicas de Sebastopol

Publicado . 2022-06-23 | Categorias . Artigos

Ainda longe de pensar que viria a ser considerado um dos escritores maiores da literatura universal, Lev Tosltói relatou, em 1855, nas suas Crónicas de Sebastopol, os horrores da Guerra da Crimeia, na qual participou, como jovem oficial ao serviço do exército russo. Na obra, publicada originalmente pelo jornal literário russoSovremiénnik (O Contemporâneo) e que viria a servir de esqueleto, anos depois, à sua obra-prima, o romance Guerra e Paz, o genial escritor russo confrontou os leitores com os seus sentimentos e angústias e os dos outros soldados, num doloroso retrato do conflito. Praticamente 170 anos depois, e em plena Guerra da Ucrânia, a obra mantém uma actualidade perturbadora e a sua leitura é, mais do que nunca, urgente. Motivos de sobra para que seja agora revisitada pela Guerra e Paz Editores, numa nova tradução de Maria José Diniz. Crónicas de Sebastopol chega à rede livreira nacional, às principais plataformas de ebooks e ao site da editora a partir do próximo dia 28 de Junho. 

 

Entre 1854 e 1855, Lev Tolstói participou na defesa da cidade de Sebastopol, cuja queda ditou o fim da Guerra da Crimeia. Experiência tormentosa que relatou no calor dos acontecimentos em Crónicas de Sebastopol, obra composta por três pungentes crónicas em carne viva: «Sebastopol em Dezembro de 1854», «Sebastopol em Maio de 1855» e «Sebastopol em Agosto de 1855». Na primeira crónica, o autor introduz-nos à vida em Sebastopol, transportando-nos progressivamente para o cenário de guerra, que vai sendo revelado. Da opulência à decadência, na segunda crónica, Tolstói analisa vários aspectos da psicologia da guerra e da transformação espiritual, da fé ao desespero, que os seus intervenientes vão enfrentando. Por fim, na terceira crónica, descreve-nos o culminar do conflito, com a derrota e a retirada das forças russas. 

 

Segundo escreveu o biógrafo francês e nobel da Literatura Romain Rolland, em Vie de Tolstoï, o escritor russo observou, nestas «inolvidáveis crónicas», «os vivos e os moribundos e registou as angústias deles e as suas». Na mesma obra, que a Guerra e Paz Editores também irá publicar ainda este ano, Rolland acrescenta: «Essas três crónicas [...] geralmente são confundidas na mesma apreciação. No entanto, são bem diferentes entre si. Especialmente a segunda crónica, pelo sentimento e pela arte, distingue-se das outras duas. Estas são dominadas pelo patriotismo; sobre a segunda, paira uma verdade implacável.»

 

Juntando artifícios da ficção à reportagem de guerra, num estilo próprio e inconfundível, Crónicas de Sebastopol mostra a visão única de um escritor que se tornaria um dos maiores de sempre da literatura universal, ao mesmo tempo que nos transporta para um cenário de guerra histórico, mas perturbadoramente actual. 

Num recente artigo publicado pela BBC, também John Self destaca: «Do lado russo, a Guerra da Crimeia produziu provavelmente o primeiro correspondente de guerra do mundo, quando um jovem oficial do exército russo interessado em literatura registou crónicas sobre o cerco ao porto de Sebastopol em 1854-55 e, pela primeira vez, assinou com o nome completo os seus escritos: Lev Nikolaevitch Tolstói. As suas três Crónicas de Sebastopol mostram as qualidades de Tolstói numa forma inicial: uma mistura de política e personalidades, reconstrução histórica rigorosa e um olho aguçado para uma caracterização sublime.»

 

Uma leitura dura mas urgente, Crónicas de Sebastopol chega à rede livreira nacional e às principais plataformas de ebooks no próximo dia 28 de Junho, numa tradução de Maria José Diniz, incluída na inconfundível colecção de clássicos da Guerra e Paz Editores. Além da obra integral, esta edição conta com uma nota introdutória e com um mapa de Sebastopol, que contextualizam a obra.

 

 

 

Crónicas de Sebastopol

Lev Tolstói

Ficção / Romance Estrangeiro

168 páginas · 15x23 · 15 €

Nas livrarias a 28 de Junho

.

.

..

.

.

.

.

Partilhe este conteúdo